A conexão entre pessoas e bicicletas

A conexão entre pessoas e bicicletas

Sistema de compartilhamento aposta na tecnologia para aproximar usuários e bikes em Porto Alegre, facilitando a mobilidade urbana.

Alugar bicicletas para quem deseja se deslocar pela cidade é uma realidade em diversos países, inclusive no Brasil. O modelo de bike sharing tradicional, com bicicletas públicas disponíveis em estações pela cidade, vem se tornando cada vez mais robusto e pouco flexível. A operação não é simples, considerando a necessidade de estruturar locais para a retirada e a entrega das bicicletas, a viabilidade financeira e a segurança da operação. Em Porto Alegre, a plataforma colaborativa lançada por um grupo de estudantes da UFRGS pretende oferecer uma solução fácil, flexível e inovadora: o weBike – um novo bike sharing, de pessoas para pessoas. Bicicletas antes paradas nas casas das pessoas são disponibilizadas nos wePoints instalados em locais como shoppings, estacionamentos, universidades e hostels. Um aplicativo oferece a localização deles, o pagamento das taxas e o desbloqueio remoto de cadeados digitais, chamados weLock, para liberação das bicicletas. A proposta vem conquistando prêmios, apoiadores e muitos simpatizantes.

“A equipe se uniu para poder tornar a nossa cidade mais sustentável, tornando a nossa Porto Alegre mais humana, com mais bicicletas nas ruas e com uma mobilidade urbana mais inteligente e integrada”, afirma Lorenço Alfaro Boettcher, 21 anos, estudante de Engenharia Ambiental. Ele é um dos idealizadores do weBike, ao lado de Alexandre Mattos e Ricardo Pierozan, ambos com 22 anos e estudantes de Administração de Empresas. Eles se uniram e desenvolveram esse projeto no I Desafio Empreendedor UFRGS, realizado em setembro de 2015, no qual conquistaram a terceira colocação. Fábio Innocente, estudante da Ciências da Computação, e Martha Prado, de Design de Produtos, integraram-se ao grupo para o desenvolvimento da tecnologia. De lá para cá, outros prêmios vinculados à universidade validaram a relevância da iniciativa, como o 1o lugar no Pitch your Business, em novembro do ano passado, e o 3º lugar no Summer School UFRGS, em fevereiro deste ano. Em junho, o grupo conquistou o título de startup mais inovadora na iniciativa global SAP Startup Focus Day e, em setembro, foi finalista na competição Model do Market no SPIN, maior evento do empreendedorismo universitário ibero-americano, realizado pela RedEmprendia.

O sistema conta com sete wePoints em Porto Alegre, como esse, no Eco Hostel, no bairro Cidade Baixa

O weBike começou a operar em novembro do ano passado, por meio de um grupo no WhatsApp. O usuário era incluído após o pagamento da taxa por transferência bancária. Quando ele precisava de uma bicicleta, enviava uma mensagem e os administradores indicavam onde estava a bicicleta mais próxima e emitiam uma senha para acesso. “A partir de outubro, começamos a testar o nosso aplicativo em iOS, desativando o grupo para que todo o processo pudesse ser mais rápido e seguro”, conta Lorenço.

A plataforma oferece, hoje, 15 bicicletas disponíveis em sete wePoints localizados nos bairros Bonfim, Cidade Baixa, Centro, Auxiliadora e Moinhos de Vento. Atualmente, 30 pessoas utilizam o sistema, pagando R$ 30 de mensalidade e R$ 10 pela diária da bicicleta. O primeiro protótipo do weLock já está pronto para teste das funcionalidades e da segurança. “Pretendemos construir os 30 primeiros cadeados e testá-los ao máximo para criarmos o melhor compartilhamento para as pessoas”, ressalta.

Compartilhe:


Artigos similares

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado. Required fields are marked *

Comentar *

Nome *

Email *

Website *

Copied!